Por: DARUKIAN, O Ceifador de Orgasmos e sua Primeira Puta das Artes Sacroprofanas, Emonditte. Seres sem rosto nem forma, que tem como único propósito te fazer gozar muito (a vida).

Seguidores dos instintos

5 de outubro de 2011

Mistérios de Darukian - XVII

Perdeu o começo da putaria? Clique aqui para ver o índice de capítulos

XVII 



“Grande show de rock. Lilith Yume, a deusa puta dos sonhos muito puta. Ceifador mal-caráter, cachorrão. Princípio da folga enganosa”

Comecei a tentar selecionar por epígrafes, e que está acima me interessou.

“Vou contar algo a vocês, para que aprendam a não fazer como eu. Digamos que é um conselho de amiga e mandamento de uma deusa. Nunca confie no seu macho, principalmente se ele é um ceifador de orgasmos.

Eu dava (e como dava... dar é uma delícia!) um dia de folga para meu ceifador, só de vez em quando, uma vez perdida na vida, quando eu tava com vontade de...”caçar minha própria comida”, se vocês mortais me entendem. Em algumas dessas vezes me arrependi profundamente.

Confesso que era difícil arranjar uma boa presa, por que além de ter as habilidades para me satisfazer, precisava ter a de não morrer de exaustão. Nessas horas eu percebia que tinha criado o ceifador perfeito, por que ele achava presas antes que eu pudesse falar “ui”. Acho que fareja os feromônios delas, ou algo do tipo.

Nunca tivemos muito tempo juntos, ele passa muito tempo ceifando pra mim, e nosso tempo juntos não é gasto em conversas. Vocês devem entender que eu não vou desperdiçar meu ceifador gostoso falando nada a não ser putaria no meu ouvido. E vocês fariam (e às vezes fazem, quando eu resolvo emprestá-lo) o mesmo.

Não foi essa dificuldade toda o meu maior arrependimento. Uma vez, não faz muito tempo, resolvi caçar em um show de rock. Um show de rock enorme, eu claro, arrasando com os metaleiros. Eu passava e eles paravam de bater cabeça, as cabeças levantavam pra me olhar (todas elas, principalmente as de baixo, é claro). Enquanto eu passeava entre os mortais, procurava a minha presa, o que era algo difícil. O macho tinha que satisfazer as condições de cama e resistência, afinal não queria matar nenhum de exaustão.

Algum tempo desfilando, e achei a “presa perfeita”. Moreno, olhos claros e cabelos lisos castanhos, enormes, típicos dos...”batedores de cabeça-sangue nos zóio”? Alto, forte... Investi e ele, claro, ficou louco pra depositar tudo na minha poupança.

Saímos dali em uma moto, e no meio do caminho, ele me pareceu ser conhecido. Parecia tê-lo visto em algum lugar, mas talvez fosse por ali mesmo no show e não tinha prestado atenção por causa da multidão. Enfim, ele me levou a um motel luxuoso. Um roqueiro e rico? Era a tal “presa perfeita” MESMO. Nessa hora as mortais vão sentir uma invejinha básica, não vão? Normal de nós, confesso que às vezes (raras vezes) até sinto um pouquinho de inveja de vocês.

No motel, ele apenas olhou para a recepcionista (que se derreteu) e me levou direto para um quarto. Isso eu só entendi depois. Na hora me perguntei “como assim, ele deixou tudo preparado e só estava procurando uma “presa perfeita” também?”

No quarto, ataquei ele com os olhos. Sabe aqueles olhares todos de vocês? Eu que ensinei a primeira e a partir daí vocês ganharam isso de fábrica. Devorei ele com os olhos, ele começou a fazer o mesmo (com a boca), e logo eu me vi encostada na parede, com seus volumes encostando nos meus, sua boca no meu pescoço. Mas...algo me pareceu estranho.

Como um humano me dominou tão rapidamente e eu nem percebi? E quem disse que deu tempo de pensar nisso nessas horas? O resumo é que acabei virando presa mesmo, e quando me dei conta estava nua na cama com aquele corpo perfeito em cima de mim, me sugando como se o apocalipse fosse acontecer dali a cinco minutos.

Se eu gozei? CLARO que gozei! Gozei a primeira vez na boca dele, ou seria mais certo dizer me desmanchei, por que...que chupada foi aquela? Só fui chupada daquele jeito uma vez, mas...naquela hora eu não tava pensando naquilo, e sim em gozar mais. E aí eu vi...aquele mastro delicioso latejando na minha frente. Abocanhei, e escutei um gemido. Pensei que finalmente eu ia virar o jogo. Quem disse? O macho era que tava me puxando pelos cabelos e controlando os movimentos, ora fodendo a minha boca, ora fazendo eu me mexer. Se eu fosse uma mortal teria engasgado com aquele cacete.

Quando menos vi eu tava gozando de novo, aquela delícia entrando na minha xana com força e saindo devagarinho pra me torturar, depois mudando o ritmo e a posição como se eu fosse uma boneca. Aí ele avisou que queria meu rabão e gozar dentro dele. Eu tentei dissuadi-lo da ideia.

“A deusa com frescura pra dar o rabo”? Não, eu só queria é saber se ele merecia o privilégio de comer um rabo divino. Ele mandou os privilégios se fuderem, me virou de quatro e me enrabou, montou em mim mesmo, entrou de uma vez por que o caralho já tava ensopado da minha xana. E eu fiquei (e virei) muito puta. Uma porra de um humano tava me montando, a deusa, e me tornando totalmente submissa? E aquilo tava me excitando junto com aquelas tapas e xingamentos todos (que parecia já ter ouvido em algum lugar, mas na hora o que eu ouvia era meus gemidos)... Só descobri o que foi aquilo tarde demais.

Depois de me usar, arrombar meu rabo e deixar ele gozado (além de me deixar exausta), ele se revelou. Eu pularia de susto se tivesse forças pra isso quando vi aqueles olhos brancos. E aquela pele pálida. Ah, eu ia punir ele com todo meu ódio assim que recuperasse minhas forças...

Por que eu fui criar um ceifador tão gostoso, enérgico, orgástico e fodástico? E por que era tão filho da puta (na verdade, servo dela). Antes de sair, o maldito ainda me provocou dizendo “Acha mesmo que outro macho no mundo consegue te satisfazer como eu faço, deusa? Enquanto você fica aí percebendo que não vou aproveitar o finzinho do meu dia de folga. Até sempre, deusa-puta gostosa!”

E enquanto eu me recuperava fisica e psicologicamente, o filho das trevas luxuriosas resolver fechar com um rabo de ouro a maldita folga que eu dei a ele. Ele me contou tudo...e pagou caro depois, é claro.”

Logo abaixo, encontrei outra epígrafe, que resolvi traduzir por parecer uma continuação desse relato. Naquele momento, senti uma espécie de aura de pura raiva, então achei melhor dar uma pausa e fazer um ritual para acalmar a deusa antes de continuar.


DARUKIAN, O CEIFADOR DE ORGASMOS 
P.S.: E aí, gostou/gozou? Pois é, a deusa nunca me escapa! heh~  E se preparem, ainda tem mais. Continua na próxima semana (ou não? Vocês só vão saber no próximo capítulo). Enfim, clique na porra dos +1 espalhados por aqui e caia de boca no meu arquivo/caixa de comentários/paufoice!

Clique aqui para ler o próximo capítulo 

4 comentários:

  1. Nossa! Fiquei até sem ar. Afff. Que Ceifador safaaaado! Muito esperto e corajoso. Acho que ele merece um bom castigo pra deixar de ser tão abusado, rsss.

    ResponderExcluir
  2. nossa como vc fez isso com a deusa???
    e ela ainda gostou?
    adorei o castigo da Deusa...

    até eu quero um castigo desse...

    beijocas

    ana casada

    ResponderExcluir
  3. Puts!
    O Ceifador disfarçado de roqueiro cabeludo e gostoso!!! Ou será que ele é mesmo assim, um gostosão? Ui... Fiquei com problemas....

    Beijos borboleputos ( Viu? Aprendi...rs)

    ResponderExcluir
  4. Nossa!! Gostei de imaginar esse ceifador roqueiro, eu seria presa facil, adoro um cabeludo....kkkkk. Que delica essa pegação toda, fiquei toda animadinha por aqui.
    Adorei!!!

    Bjssss safados em ti

    ResponderExcluir

Agradeço por ter lido, mas há outra coisinha que quero que você faça. Responda: Gostou? Gozou? Então caia de boca na minha...caixa de comentários e libere tudo que quiser jorrar, com muita indecência!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...